fbpx

Fabio Noogh

Vocal

Fabio NOOGH, ou apenas Noogh (lê-se “Nóg”, de Nogueira, seu sobrenome), é um cantor paulistano que já possui mais de 10 anos de estrada no meio profissional e se apresenta periodicamente em eventos sociais e corporativos variados, bem como nas melhores casas de shows de São Paulo como o saudoso Na Mata Café e até o tradicionalíssimo Bourbon Street Music Club com bandas diferentes.

Após terminar o colegial em Connecticut, EUA em 1996, Fabio retornou para o Brasil com uma bagagem cultural e musical única, tendo participado do coral e da banda de jazz da High School onde morou, Suffield Academy, que o levaram a torneios e apresentações nacionais tal como acontece no seriado musical Glee. Durante os 10 anos seguintes, em meio a aulas de canto lírico com o renomado baixo Jeller Filipe e também com Caio Ferraz (então preparador do Coral Lírico do Teatro Municipal) e apresentações em cerimônias de casamentos, Fabio estudou e se formou em Direito pela UNIP, trabalhou como profiler na United Airlines em Guarul hos e na sequência para uma empresa israelense de gerenciamento de riscos, até que em 2006 por questões pessoais decidiu seguir exclusivamente na carreira musical.

Assim, em 2006, fundou um quarteto acústico chamado Na Trave cuja boa parte do repertório eram clássicos da Antena 1, Eldorado e Alpha FM que poucos grupos se aventuravam a tocar, junto com outros três super músicos que eventualmente vieram a dar vida em 2008 aos The Soundtrackers – os tocadores de trilhas de filmes – banda temática idealizada e produzida pelo jornalista, músico, escritor e apresentador de TV (Cultura, SBT, ESPN, Gazeta) Rodrigo Rodrigues, onde passou a ganhar nome, experiência e respeito no midstream musical de São Paulo. Foi nessa época que assumiu seu nome artístico definitivamente.

Ao longo dos últimos anos, além dos Trackers, por conta da sua bagagem musical, versatilidade vocal e um vasto e eclético repertório, NOOGH vem sendo convidado a participar de projetos musicais diferentes, seja como cantor titular ou fazendo ponta para diversas bandas que eventualmente precisam emprestar seu vozeirão, além de participar de gravações e jingles comerciais tanto como cantor quanto como locutor. 

 Em 2015, após tempo suficiente de experiência no meio e a fim de oferecer um novo leque de serviços para bandas, produtores de áudio, foto e vídeo fundou o Green Man Studious, um estúdio multifuncional único, aos moldes de uma pequena produtora de mídia, onde se pode realizar ensaios musicais, fotográficos, gravações de vídeos diversos (webclips, vídeo aulas, vlogs para youtubers, institucionais, corporativos etc) bem como pequenos eventos como lançamentos de álbuns musicais tradicionais (cds) ou digitais, palestras, workshops, treinamentos, pocket shows, festas de aniversário, empresas entre outros.

Como multitasker extraordinaire, NOOGH segue em ritmo de jogo se desdobrando para operar o estúdio, cantar e tocar com suas mais de oito bandas e projetos musicais e ainda auxiliar e coproduzir inúmeros outros projetos musicais do novo cenário musical através do Green Man.

Marcos Kleine

Guitarra

Marcos Kleine é guitarrista, compositor de trilhas sonoras e produtor musical. Atualmente, toca com as bandas Ultraje a Rigor e PAD. Pode ser visto diariamente no Programa The Noite, no SBT.

Seu talento na guitarra também pode ser ouvido nos shows da Fabulosa Orquestra de Rock’n’Roll, banda idealizada por Roger, do Ultraje a Rigor.

Por tocar com Léo Jaime durante quatro anos, tempo em que fez várias turnês pelo País, foi um dos primeiros músicos a integrar a Jam Session 80, onde continua até hoje. O projeto, que tem como idealizador Léo Jaime, reúne os artistas da época – antigo G80 – que rendeu o DVD Anos 80 Multishow ao Vivo O projeto conta com outros nomes importantes como Leoni, Ritchie, Paulo Ricardo, Nasi, Marcelo Nova, Kid Vinil, Blitz, entre outros. Marcos Kleine também realiza trabalhos paralelos, como por exemplo, com o Urbana Legion.

Marcos Kleine também é compositor de trilhas sonoras. Junto com os riffs inesquecíveis da guitarra, carrega alguns prêmios de trilhas, como The 100º Job (Blumenau, 2009). No trabalho, Kleine tocou guitarra e teclado.

Durante 15 anos, tocou com a banda Vega, responsável por vários sucessos que se tornaram trilhas de novelas, como Vou Mais Longe (novela Alta Estação, veiculada na Record em 2006/2007).

É palmeirense reconhecido pela mídia e torcida alviverde por sua versão de guitarra para o Hino do Palmeiras, tocado com frequência quando da volta do seu time do coração à primeira divisão. No No Allianz Parque, Marcos Kleine chegou a tocar para 40 mil pessoas.

Paulistano nascido em 1970, Marcos Kleine sempre foi apaixonado por música. Aos 10 anos de idade, aprendeu sozinho a tocar bateria. Aos 15, apaixonou-se pela guitarra e a dedicação ao instrumento foi tão intensa que, aos 18, já era professor.

Dentre os diversos trabalhos nos anos 1990, destaca-se sua participação na banda de heavy metal Exhort, com quem gravou dois álbuns. Também nos anos 90, Kleine montou uma banda para criar versões para a guitarra de temas de filmes e seriados conhecidos. Assim nascia o Kleine Project. Fã de Jornada nas Estrelas, Kleine fez várias versões dos temas da série, o que deu visibilidade ao seu trabalho no exterior e lhe rendeu um convite para fazer a trilha sonora da animação australiana Sev Trek – uma paródia muito bem humorada de Star Trek.

Após vasta experiência adquirida nos palcos e em estúdio, Marcos Kleine começou a produzir CDs de vários artistas (OskMaradas, Luís Carlini, Maestro Briamonte, Celso Cardoso, entre outros), além de seus próprios trabalhos, como os álbuns de estreia do Vega, Flores no Deserto e Novos Tempos, e da sua banda instrumental Duo Vision.

Leandro Pit

Guitarra

Guitarrista e produtor musical. Começou a tocar guitarra com 10 anos, após aprender violão erudito com o avô.

Aos 14 anos a guitarra já fazia parte da sua vida profissional, com bandas de pagode em Campinas, sua cidade natal. Chegou a São Paulo nove anos depois, para fazer faculdade de Música.

Fez trabalhos corporativos. Produziu trilhas para a novela Cúmplices de um Resgate (SBT) e peças infantis, como GarfieldTarzan e Looney Tunes.No total, coleciona mais de 30 trabalhos de produção musical.

Além de guitarrista na banda PAD, é produtor musical no Green Man Studious.

 

 

 

 

 

 

.

Will Oliveira

Baixista

Um violão como presente de Natal dos pais foi o estopim para que a paixão pela música viesse à tona. William tinha 11 anos. Logo começou a estudar violão clássico e chorinho. Depois, veio a guitarra e as aulas de blues, rock e jazz.

Aos 18 anos, William encontrou outro caminho: a produção de eventos. Na época, Bill produzia shows para as bandas que tocava e as dos amigos. Assim, montou sua primeira produtora, a Weep Produções.

Dedicou-se integralmente à produtora até 2015. No período, trabalhou com diversos artistas, como os roqueiros da extinta Dr. Sin (de 2007 a 2013). Foi produtor e manager da banda. Em 2010, a Weep Produçõesfundiu-se com um grupo de entretenimento formado por quatro produtoras. Assim, nasceu a WWA Music & Management.

Em 2015, Bill voltou a tocar guitarra com a banda Trinta E3. Passou da guitarra para o baixo. Fez vários shows e gravações com as bandas Trinta E3, Sikz e Aïve. Com a banda Trinta E3 lançou um EP com quatro músicas e um single com a Sikz (tributo ao lutador de boxe, Esquiva Falcão).

Em novembro de 2016, entrou para a PAD com dedicação integral. Continua com trabalhos de produção executiva, organizando shows, eventos e festivais pela WWA Music & Management.

Rodrigo Simão

Teclado

Músico, Compositor, Produtor, Professor e Historiador. Sua primeira presença em palco foi no teatro da escola infantil interpretando um querubim que tocava flauta para anunciar o nascimento de Jesus. Como participava da comunidade católica de seu bairro, aos 8 anos fez apresentações no palco da quermesse da igreja com um show de mágica infantil e pode sentir pela segunda vez a alegria e prazer da luz, palco e aplausos. Aos 10 anos começou na música de forma instintiva e tocava somente com uma das mãos as várias melodias dos temas de novelas da época, no pianinho de brinquedo abandonado na sala (presente de seu pai para a irmã, que nunca se interessou por música).

Ao notar sua facilidade auditiva para a música, a mãe o incentivou a estudar teclado em uma escola de música em Guarulhos e assim aprendeu os primeiros acordes e melodias. Não demorou muito tempo para conhecer alguns amigos da escola que tinham bandas e desta forma, aos 15 anos de idade, fez seu primeiro show com uma banda de Rock na festa junina da igreja do seu bairro. Entre um teste numa banda de Rock que o esnobou, dizendo: “Preferimos um Rock básico, sem tecladistas ou pianistas…”, seguiu participando de outros grupos e festivais de escola, entre shows na biblioteca municipal de sua cidade e vários ensaios em garagens barulhentas e pouco ventiladas.

Com a oportunidade de tocar no único espaço cultural que havia na cidade naquela época, a Biblioteca de Guarulhos, conseguiu arrumar duas datas, uma para sua banda de Rock e a outra acabou estreando o primeiro show solo, com participação teatral da irmã. Com 17 anos, começou a estudar piano erudito com Mario Casali na (ULM) Universidade Livre de Música – TOM JOBIM e teve como influência musical os mestres das teclas como Rick Wakeman (YES), John Lord (Deep Purple) e Keith Emerson (ELP). Nesse momento aprendeu muito sobre técnica, leitura, teoria musical e conseguia ganhar algum dinheiro com shows em casamentos e dando aulas de música para iniciantes.

Aos 18 anos, foi convidado a tocar nas noites de São Paulo com uma dupla sertaneja e a adaptação do Rock para o estilo Romântico e melancólico do sertanejo foi fácil, pois sempre ouvia esse estilo com seus pais durante as viagens para visitar a família no interior de São Paulo, em São José do Rio Preto. Conhecendo músicos e produtores em estúdios, em 1997 foi apresentado para o Kalifa, cantor árabe que lançou a música: “Kibe Esfiha” e realizou o grande sonho de fazer seu primeiro programa de TV – o Jô Soares Onze e Meia (SBT) e também o “H” do Luciano Huck (TV Bandeirantes). A banda não fez muitos shows e se desfez logo em seguida.

Com a própria banda de sertanejo, recebeu o convite para tocar na banda oficial do programa do Sérgio Mallandro (TV Gazeta). Em 1999, enquanto seguia como músico nas casas de shows de sertanejo de São Paulo e no programa do Sérgio Mallandro, montou uma nova banda de Rock e lançou seu primeiro CD Autoral. No ano de 2001 foi o produtor musical do programa de TV “No Agito” e tecladista da dupla Rosa e Rosinha.

Mantendo paralelamente sua banda de Rock, realizou shows com Paulo Zinner e Ivan Busic no projeto Colony, (turnê 2001/2002) e foi tecladista do cantor Rafael Vanucci (2002); tecladista e arranjador do cantor Mario Velloso – ano 2002. O Ano de 2002 foi um ano de muito trabalho. Gravou um novo CD com sua banda – COLONY e foi coroado com um convite a participar da banda de Rock DR.SIN, onde tocou de 2002 até 2013, fazendo vários shows nacionais e internacionais.

No ano de 2004 produziu e fez toda direção do musical Colony Ópera Rock Amada Imortal. Um espetáculo com banda, atores e bailarinas. Tendal da Lapa – S.P, patrocínio da secretaria de cultura de São Paulo. Com composições autorais e uma história de princesas, guerreiros e príncipes, foi o compositor, diretor e ator do espetáculo. Em 2008 estreou o inédito TRIBUTO A RICK WAKEMAN, uma reprodução do DVD Live in Cuba, reconhecido pelo público especialista como um espetáculo de alta qualidade e fidelidade as obras do artista.

No ano de 2012, Rodrigo Simão lançou seu CD solo com o titulo de 2012, gravado com os músicos da banda Dr.Sin. Trouxe nesse trabalho uma concepção moderna com músicas que misturavam a energia do rock progressivo com timbres de órgão e incríveis solos de sintetizadores analógicos, ritmos brasileiros, blues, sons eletrônicos e até música árabe! O CD com 12 faixas autorais se destaca na arte de capa criada por Rodrigo, com sete enigmas escondidos e músicas com letras que valorizam os aspectos humanos de superação e encantam com temas de anjos e letras com fábulas de guerreiros, mistérios e magia, muito bem envolvidos com a misteriosa data de 2012 (Calendário Maia).

Ministra desde 2003 em todo Brasil um curso de produção musical para bandas e produtores, ajudando muitos músicos a gerenciar suas carreiras, usando o conhecimento adquirido. Realizou seu grande sonho de tocar no templo maior da música (Sala São Paulo), com a banda Sinfônica do Estado de São Paulo com o show Rock Sinfônica, regência do Maestro Sadao e participação de Kid Vinil na narração das histórias do Rock.

Rodrigo já acompanhou em turnês brasileiras artistas internacionais com grande currículo como TIM RIPPER OWENS (foi o substituto de Rob Halford nos vocais do Judas Priest), MARK BOALS (conhecido por seu trabalho com o guitarrista Yngwie Malmsteen) e participação no show de ERIC MARTIN (foi o vocalista da banda americana Mr. Big). Rodrigo Simão possui um vasto currículo nesses 26 anos de carreira e é considerado um dos tecladistas de maior destaque do País, eleito pelo público e pelas melhores revistas especializadas.

Lançou em 2014 seu primeiro videoclipe, com locação escolhida especialmente pelo artista, por relacionar a Música com seus conhecimentos de Historia. O local escolhido foi o Engenho NICA PRETA em Itupeva, SP.

No mesmo ano, foi convidado a participar da turnê latino americana do Metal All Stars, onde esteve em palco numa formação inédita com artistas internacionais das principais bandas do Metal, como: Max Cavalera (Ex Sepultura, Soulfly), Zakk Wylde (Black Label Society), Geoff Tate (Queensryche), Kobra Page (Kobra and The Lotus), David Ellefson (Megadeth), Vinnie Appice (Dio), Ross The Boss (Manowar) e James LaBrie (Dream Theater)

Em 2016, participou do show de lançamento do CD BAVINI, com Marco Bavini, filho do cantor Sérgio Reis. O show teve a participação especial de Sergio Reis, numa formação com quarteto de cordas e banda de apoio.

Em 2017 Rodrigo Simão foi convidado para ser o novo integrante da banda PAD e segue com seus projetos paralelos, palestras e pesquisa novos lugares históricos para fazer seu próximo videoclipe.  Prepara o lançamento da ONG que tem como objetivo ensinar música gratuitamente para jovens e crianças em estado de risco social e cultural nas periferias da Grande São Paulo.

Projetos diversos que participou:
• Criador do projeto de clínicas e workshop´s DUO POWER ano 2005;
•Professor de piano erudito/popular e do inédito curso de Teclado Rock nos Conservatórios Souza Lima – Jardins e Souza Lima – Alphaville;
• Colunista de vários sites dedicados à música (destaque para o Whiplash) e revistas especializadas em música e tecnologia (Revista Teclado e Áudio ed. HMP);
• Tocou com Amon Lima (Família Lima) na Expomusic Brasil 2007;
• Participou do projeto Night Rock com Rafael Bittencourt (Angra), Felipe Andreolli (Angra) e Marcel Cardoso (Karma);
• Show de abertura da banda KISS (Abril/2009) com público estimado em 35 mil pessoas na arena Skol em São Paulo, com o Dr.Sin;
• Festival Optimus Alive – Lisboa – Portugal com a banda Stereopack em Julho de 2011.

Thiago Biasoli

Bateria

Músico há 18 anos. Comecei a tocar guitarra incentivado pelo meu irmão Leonardo Biasoli. O interesse pela bateria veio aos 14 anos quando comecei a me dedicar ao instrumento todos os dias. Além da PAD sou baterista da banda OWL COMPANY.

Durante esses 18 anos muita coisa aconteceu, além de tocar em porta de banheiro de bar, não receber cachê e tocar em muita bateria caindo aos pedaços, o ápice dessa estrada noturna foi tocar o mesmo repertório de cover toda a noite pra agradar meia dúzia de dono de bar que trata banda como lixo.
Em 2013 estava tocando com uma banda de rock autoral chamada Madjoker, trabalhando numa importadora de instrumentos musicais no setor de marketing e com um relacionamento duradouro, estava cumprindo a meta do músico médio brasileiro.

Ter um trabalho que não gosta, não ter tempo para se dedicar ao que realmente gosta e sabe fazer e com um relacionamento pra trazer a sensação de normalidade.
O resultado não poderia ser outro, um suicídio espiritual. Após abandonar tudo isso montei uma banda com o Guitarrista Bruno Solera e o baixista/vocal Cadu Ramalho o CARRANCA TRIO. O melhor remédio contra depressão que tomei por mais de um ano da minha vida. Gravamos um EP chamado “Pulse” com o produtor e amigo Conra Ruther que de primeira entendeu o que estava acontecendo artisticamente nas nossas cabeças. E isso mudou a minha vida.

A PAD para mim significa muito mais do que uma banda, significa que quando se trabalha com amor e dedicação nós perdemos o medo infundado de fazer um trabalho que nos agrada, e que a realidade de agradar os outros é uma consequência da qual não temos controle nenhum.

Por isso continuo assim, sem querer ter o controle absoluto de nada e dando o meu melhor para algo maior do que eu mesmo.